Jornal Rio grande

Município quer a devolução do prédio que pertenceu ao Correios

  • 16/02/21 as 23:22

n/d

A Prefeitura do Rio Grande notificou nesta última segunda-feira, 15, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos para que faça a devolução ao Município do antigo prédio que abrigava a agência central dos Correios. A edificação construída junto ao Largo Dr. Pio, pelo Governo Federal, para abrigar os serviços, teve a área doada pelo Município, na condição de que caso não fosse mais utilizada para tal fim, a mesma seria devolvida ao Governo Municipal.

Este argumento é o que norteia a notificação que se baseia no Decreto número 246 de 16 de maio de 1947 e que não permite outro destino ao local, uma vez que a doação visava o interesse público. Os Correios buscam através do edital de licitação LCA 002/2020 leiloar o local. No entanto, a Prefeitura requer a imediata suspensão de qualquer tipo de intenção de comercialização do bem público.
A notificação da Prefeitura dá o prazo de seis dias para o cancelamento do edital, a desocupação do prédio e a entrega das chaves ao Município. A iniciativa do Executivo repercutiu positivamente nas redes sociais. Muitos defenderam a utilização do prédio para as atividades culturais ou de interesse do Município, enquanto alguns sugeriram a demolição pura e simples para a construção de uma praça no local.

Arquitetura Francesa

O Prédio dos Correios já foi pivô de polêmica durante sua construção em 1947-48. Conforme historiadores, o anúncio de construção do prédio foi bem recebido por alguns segmentos da sociedade local e gerou aversão, especialmente de pessoas que frequentavam a Igreja Matriz de São Pedro. Afinal, a Igreja e o espaço do Largo Dr. Pio haviam sido tombados pelo Serviço de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (1938).
Construído conforme arquitetura Art-Déco, o prédio era um dos mais modernos da época, principalmente comparado com as construções do século XIX da cidade. A Art-Decó utilizava-se do concreto armado, com linhas retas e formas retangulares bem marcadas. Com uma ornamentação pontual, as cores ficavam nos tons neutros, principalmente nas fachadas.

 

Adriene Antunes

Assessoria de Comunicação Social da Prefeitura.

 

  • Compartilhar