Jornal Rio grande

#teatromunicipalagora: entretenimento neste momento de Bandeira Preta

  • Assessoria
  • 02/03/21 as 17:25

n/d

Respeitando a classificação de Bandeira Preta do Município e ao decreto que limita em 25% o número de pessoas e restringe a circulação durante o horário compreendido entre às 20h e às 5h, a Secretaria da Cultura do Município – SECULT, optou por manter o projeto #teatromunicipalagora, como alternativa segura de entretenimento, tendo em vista ele ser realizado no formato on-line. Neste sentido, nos próximos dias 4 e 5 de março, às 20h30, será transmitida a peça teatral espírita “Cinco Dias no Umbral”, apresentada pela Cia Teatral Sobrinhos de Shakespeare.

Segundo informações da diretora do Teatro Municipal, Alzira Paiva, a única diferença deste espetáculo para os demais do projeto que já ocorreram desde o seu lançamento, é que por conta da bandeira preta a transmissão não será ao vivo como de costume. Desta vez a peça é gravada antecipadamente e apenas será transmitida via aplicativo no horário programado. O sistema de compra dos ingressos segue o mesmo, é só acessar o  site: https://www.sympla.com.br/, ir na  busca e digitar o nome da peça. Lá será possível escolher em que data irá assistir ao espetáculo e adquirir os ingressos: popular R$15,00; solidário R$25,00 ou optar pelo ingresso amigo R$40,00.

O secretário municipal da Cultura, Luis Henrique Dervnovicz, explica que a iniciativa objetiva num primeiro momento não interromper o projeto que vem ajudando tantos artistas rio-grandinos a se manterem ativos e ainda uma forma de gerar renda. Ele foi idealizado justamente com esse fim, de apoiá-los neste momento tão difícil de pandemia, pois tiveram seus shows e apresentações canceladas, assim como os bares, boates, teatros, casas de shows, e diversos outros lugares de entretenimento, fechados.  “Neste momento de bandeira preta em que o Estado se encontra, o projeto torna-se ainda mais útil, pois desta forma conseguimos através do Teatro Municipal levar o entretenimento para dentro das casas das pessoas, evitando que a comunidade saia para as ruas e realmente fique em casa. Uma opção segura de lazer e ainda uma motivação para que as pessoas se mantenham reclusas, evitando aglomerações e a consequente disseminação desse vírus tão letal”, reforçou Luis.

Sheron G. Macedo
Assessoria de Comunicação da SECULT / SMEL

  • Compartilhar