Jornal Rio grande

Indústria quer venda de produtos não perecíveis após o prazo de validade

  • O Tempo
  • 07/12/21 as 21:42

n/d

A Associação Brasileira da Indústria de Alimentos (Abia) quer mudar o prazo de validade para alguns alimentos. A ideia é indicar uma data preferencial para o consumo, permitindo que produtos não perecíveis, entre eles, macarrão e chocolate, possam ser vendidos nos supermercados após esse prazo. Hoje, lojas que venderem alimentos vencidos estão cometendo um crime, e podem ser obrigadas a pagar multas e indenizações. 

A notícia é do site O Tempo com informações do UOL. Segundo reportagem do portal, a proposta da associação é que, depois do prazo estabelecido, o consumidor avalie características do alimento, como cheiro e aspecto, antes de consumi-lo. 

O novo modelo não seria aplicado a produtos perecíveis, como carnes, por exemplo, apenas para alimentos não perecíveis, considerados apenas estáveis, ou seja, que demoram mais para estragar. A maior parte não precisa de refrigeração porque tem pouca água ou passou por processos de esterilização (como o leite UHT), o que dificulta a proliferação de microrganismos. 

A ideia da indústria é usar a expressão "consumir preferencialmente antes de..." para indicar a validade dos não perecíveis, incluindo a permissão para que eles sejam vendidos depois que a data for atingida. 

O uso dessa expressão já é previsto na resolução da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) que trata do assunto. Mas, hoje, os supermercados não são autorizados a vender alimentos que estão com o prazo expirado. Por isso, quando a data é atingida, esses itens são jogados fora.

Segundo a Abia, o vencimento dos produtos é a principal fonte de perdas de não perecíveis nos supermercados. A entidade cita uma pesquisa da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), que aponta que cerca de 42,5% do descarte de alimentos desse tipo ocorre pela chegada da data de validade do produto.

Porém, para essa proposta começar a valer nos supermercados de todo o Brasil, segundo o UOL, a ideia precisa ser aprovada pela Anvisa e pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A Abia ainda não apresentou um pedido formal ao governo sobre o assunto, alegando que o assunto "precisa ser amplamente estudado". 

A Anvisa afirmou que não pode se manifestar sobre a proposta porque, "até o momento, a Abia não procurou a agência para tratar do assunto", enquanto o Ministério da Agricultura respondeu que um posicionamento precisaria ser solicitado à Secretaria de Defesa do Consumidor, do Ministério da Justiça. 

O Tempo

 

Consumidor não está preparado

O professor de Engenharia Química da PUC PR diz que a proposta pode ser boa para os alimentos não perecíveis. “O prazo de validade não é uma bomba-relógio. Há muitas coisas em jogo, como as formas de armazenamento e distribuição daquele produto”. O problema, segundo ele, é que o consumidor não está preparado para avaliar se um produto ainda está próprio ou não para o consumo .

A nutricionista da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) considera “altamente perigosa” essa iniciativa. “Temos um alto número de doenças transmitidas por alimentos, consideradas problemas de saúde pública. Nem sempre o consumidor consegue identificar que o produto está contaminado. Isso pode acontecer com os produtos não perecíveis também”.

  • Compartilhar