Jornal Rio grande

Mourão minimiza polêmica declaração de Bolsonaro sobre "pólvora"

  • Matheus Magalhães da Silva
  • 11/11/20 as 16:32

n/d

Hamilton Mourão, militar na reserva e vice-presidente da república, minimizou a declaração de Jair Bolsonaro que teria soado como um possível recado aos Estados Unidos, que recentemente elegeram o democrata Joe Biden. Mourão disse que a fala de Bolsonaro, que classificou como um “aforismo antigo”, não deve causar nenhuma fissura nas relações entre os dois países. Entretanto, a fala do presidente acabou se tornando motivo de piadas na internet e análises de comentaristas, sobretudo pela mudança súbita de tom de Jair Bolsonaro acerca do país norte-americano.

Em uma declaração onde disse que o país não pode ser de “maricas” e que é preciso enfrentar a crise do coronavírus, que já  ultrapassou 160.000 mortos no país, de peito aberto, o presidente alegou que “quando acaba a língua, tem que ter pólvora”, em relação à possibilidade de o governo de Biden levantar sanções econômicas contra o Brasil caso não sejam tomadas medidas de proteção à Amazônia e quanto às queimadas.

Segundo reportagem do Estado de São Paulo, Mourão classificou como aforismo a fala do presidente e que deve se referir a um dito antigo: “quando acaba a diplomacia, entram os canhões”. Ele também classificou a fala de Bolsonaro como “figura de retórica” e disse que não deve haver nenhum tipo de rusga na diplomacia entre os dois países.