Jornal Rio grande

TERCEIRA VEZ: Fábio volta à Prefeitura do Rio Grande

  • Redação JRG
  • 15/11/20 as 21:27

 

Fábio de Oliveira Branco, do MDB, é pela terceira vez prefeito do Rio Grande. Com 91% das urnas apuradas no momento desta postagem, o candidato do MDB aparece com 44,65% dos votos contra 35,09% da candidata Darlene Pereira, do PT. Simone Romanelli, A Mulher do Asylo (PL), aparece em terceiro lugar, com 7,12%, seguida pelo candidato Cel. Augusto Cesar (DEM), com 5,08% dos votos.

Fábio tem quase uma vida dedicada à política em sua terra natal. Iniciou jovem, no PMDB, como assessor parlamentar de seu tio, Wilson Branco, e com o tempo foi ocupando diversos cargos na administração municipal, o que lhe deu conhecimento e experiência para governar um dos municípios mais importantes do Rio Grande do Sul. A capacidade de trabalho sempre foi uma das qualidades destacadas por quem o conhece, aliado ao estilo combativo para atingir os objetivos e a persistência, como se viu na luta para retornar ao Executivo Municipal.

O PMDB dominou a Prefeitura local por 16 anos (entre 1996 e 2012), mas viu seu prestígio ruir junto ao eleitorado rio-grandino nos últimos oito anos, quando o PT passou a ser o novo ocupante do Executivo Municipal. Na ocasião, Alexandre Lindenmeyer mostrou sua força política, mas agora a “dança das cadeiras” tornou a acontecer e Fábio Branco sai vencedor de um pleito dos mais difíceis para ele, não só pelo fato da máquina pública ter passado para as mãos de seus principais oponentes, mas porque no início de sua carreira política Fábio também teve a seu favor a figura popular do tio, Wilson Branco, cujo falecimento repentino causou grande comoção popular.

A vitória na eleição deste ano não seria fácil. Muitos apostavam na polarização entre PT e MDB que, nesses anos todos de lutas e acusações recíprocas, só viram crescer as animosidades. Mas havia, também, quem apostasse na possibilidade de surgimento de uma terceira via. Chegou-se a apontar a candidata Simone Romanelli, a “Mulher do Asilo” (PL), como alguém que poderia surpreender na disputa. O Cel. Augusto César (DEM) também acreditou nessa possibilidade, mas ambos não conseguiram apresentar um projeto que conquistasse o eleitor rio-grandino e a polarização entre PT e MDB acabou predominando.      

 

Três vezes eleito prefeito

Fábio Branco foi eleito prefeito do Rio Grande, pela primeira vez, no ano 2000, quando tinha 29 anos de idade e logo após o falecimento do tio. Em 2004 seu sucessor foi o primo Janir (filho de Wilson Branco) e em 2008 aconteceu o segundo mandato. Foi em sua gestão que teve início o Polo Naval e Fábio realizou diversas obras na cidade, especialmente de pavimentação e drenagem.

Ao perder a Prefeitura para o PT, em 2012, Branco continuou ativo na política.  Em 2014 foi eleito deputado estadual com 57.135 votos, mas preferiu assumir a Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Governo José Ivo Sartori, quando tornou-se um de seus principais auxiliares e, posteriormente, Chefe da Casa Civil do Governo do Estado.

Em 2018 Fábio Branco voltou eleger-se deputado estadual. No ano seguinte combateu os altos preços do pedágio cobrados, principalmente na região, e lançou a Frente Parlamentar dos Portos, Hidrovias e Polo Naval. É o líder do MDB na Assembleia Legislativa.   

O novo prefeito do Rio Grande é casado com Lu Compiani. É pai de Failly, Marcello e Rodrigo.