Jornal Rio grande

De volta o “Fatos e Coisas de Antanho” e “Há 50 anos”

  • Ique de la Rocha (ique@jornalriogrande.com)
  • 03/12/20 as 10:20

Nossos leitores devem estar notando que, aos poucos, o Jornal Rio Grande.Com vai reforçando seu conteúdo. Como se sabe, nossa proposta é tornar esta página uma tribuna para a comunidade rio-grandina, que hoje ressente-se de um jornal diário e, também, de uma emissora de televisão com um jornalismo voltado para Rio Grande.

A tarefa não é fácil. Dois dias depois do lançamento do site, que aconteceu dia 31 de outubro, tivemos um problema inesperado, que foi a Covid, felizmente superada, mas que atrapalhou nosso planejamento. Passamos a atuar de forma precária e, graças ao apoio de nossos colaboradores, o projeto não parou.

Agora estamos revigorados. A partir de hoje estaremos apresentando também matérias exclusivas, enquanto as colunas da casa, como o Olha Aí, Fatos e Coisas de Antanho e Há 50 Anos, passam a ter postagens diárias. Poderá acontecer de haver uma interrupção em algum dia, mas explicamos: o Antanho e Há 50 anos são trabalhos de pesquisa nos jornais Rio Grande do passado e nosso saudoso diário não circulava nas segundas-feiras, sendo que por um determinado período também não havia a edição dominical.

Ainda estamos acertando alguns detalhes, mantendo contatos com as assessorias e órgãos públicos, especialmente os organismos policiais. Em nossa auto-crítica ainda temos bem mais a apresentar, mas a partir de agora vamos procurar imprimir um ritmo mais acelerado, pois vocês merecem um conteúdo de qualidade e nossa intenção é esta, como já podem avaliar pelo nível de nossos articulistas e seus valiosos escritos.

Preparativos para o Natal

Revendo jornais “Rio Grande” referentes a dezembro de 1970, para a coluna “Há 50 anos”, observei como no passado os governantes e demais lideranças se preocupavam com a beleza e um astral positivo para a cidade. Na minha infância, no período que antecedia o Natal, sempre havia um clima natalino. As lojas ficavam abertas até 22 horas e, na última semana, até meia noite. O movimento era intenso, especialmente na rua General Bacellar. Normalmente havia uma bela árvore de Natal, decoravam as principais ruas, tinha Papai Noel e nunca faltava, também, a banda e um coro do Exército da Salvação.

Claro, se dirá que os tempos são outros, mas se o Natal mexe com as pessoas, por que também não resgatarmos o que havia de bom? Ou procurar fazer melhor que antes?

Li nos jornais de 1970 que a Prefeitura e o Conselho Municipal de Turismo estavam providenciando, naquele ano, uma decoração natalina para as ruas comerciais da cidade com estrelas iluminadas que ficariam suspensas no meio da rua, através de cabos. Lembro dessas estrelas, mesmo sendo pequeno, e o efeito positivo que elas tiveram.

Dos anos 70 para cá o que melhor recordo dos Natais foi no tempo do sr. Benito Germano, na década de 1980, que ao presidir a CDL, criou um Natal Luz na praça Xavier Ferreira. Corais se apresentavam à noite num palco armado junto ao lago da praça e havia uma bela árvore com motivos natalinos embelezando aquele logradouro.

Da parte do poder público pouco foi feito nos últimos Natais. A CDL também “tomou Doril” com suas promoções. Mas, justiça seja feita, no ano passado o governo do prefeito Alexandre Lindenmeyer transformou a praça Tamandaré num verdadeiro sonho de Natal e ainda criou uma programação cultural de muita qualidade.

O governo atual está saindo e tem a pandemia, mas como seria bom se tivéssemos alguma iniciativa que nos envolvesse no clima do Natal, especialmente que nos fizesse pensar no Aniversariante, pois acredito que todos nós, depois de tudo o que aconteceu em 2020, necessitamos de mais paz e tranquilidade nas festas de final de ano e, também, para enfrentar o novo ano, o que é possível obter quando se eleva o pensamento a Ele..

Cabe lembrar, ainda, que no Cassino tivemos o “Ondas de Natal”, outro evento que mexia com as emoções.

Os rio-grandinos estão carentes de uma cidade com astral mais positivo. Quem sabe neste Natal tenhamos algo semelhante ao que ocorreu em 2019 ou alguma outra iniciativa que nos passe uma mensagem positiva? Com a palavra as autoridades e nossas lideranças.