Jornal Rio grande

Wanda Leite: Charles era voltado para ajudar as pessoas

  • Ique de La Rocha
  • 03/12/20 as 15:55

“Hoje ele daria alta, mas teve uma complicação à noite e sofreu uma parada cardíaca. Pegou a todos de surpresa. Ninguém esperava. A gente estava programando a volta dele para a semana que vem”. Estas foram as primeiras palavras da diretora da Rádio Cultura Riograndina, Wanda Leite, ao comentar o falecimento do vereador e radialista Charles Saraiva na madrugada desta quinta-feira, 3, vítima da Covid-19.

A empresária  e radialista, que acompanhou o cortejo até Pelotas, observou que “Charles estava sempre sorridente e voltado realmente para ajudar as pessoas. Era extremamente correto e uma pessoa do bem. A rádio e a comunidade estão de luto. Com o falecimento de Charles perde a política, perde a sociedade, mas fica um legado. Na comunicação ele ensinou muito e deixou suas experiências para serem seguidas. A rádio vai continuar, lógico, mas ficará uma lacuna muito profunda e uma perda irreparável. Só tenho a lamentar e dizer o quanto vivemos um momento de dor, de vírus e de algo impossível de visualizar. Talvez não tenhamos tido até aqui a dimensão disso tudo”.

Charles Saraiva apresentava na emissora de Wanda Leite um programa diário, das 11h ao meio-dia, e outro semanal, de entrevistas, aos sábados, o “Riograndina Repórter”. Ele foi enterrado no cemitério São Lucas, na Sanga Funda, em Pelotas, onde está sepultado seu pai, Saraivinha, que era músico e radialista na vizinha cidade.

Repercussão em Pelotas

O radialista de Pelotas Otávio Soares era um dos mais abatidos com o falecimento de Charles Saraiva.  Nas redes sociais ele publicou: “Estou triste e perplexo! Faleceu o meu grande amigo Charles Saraiva. Estava internado com Covid e sofreu uma parada cardíaca. Sem palavras!”.

n/d

Otávio Soares (Divulgação)

Em seu programa “Super Tarde”, na rádio Pelotense, ele salientou que Charles “nunca negou suas origens”. Aos ouvintes que ligavam ao vivo para lamentar o falecimento do vereador e radialista, Otávio Soares dizia que ele era diabético e se cuidava ao ponto de ter feito sua campanha para vereador, e se eleger, praticamente sem sair de casa.