Jornal Rio grande

É impossível acabar com o tráfico de drogas, enquanto houver gente querendo usar, diz delegado da PF

  • Ique de la Rocha (ique@jornalriogrande.com)
  • 05/12/20 as 15:49

n/d

O delegado da Polícia Federal, Gabriel FIgueiredo

O delegado chefe da Polícia Federal no Rio Grande, Gabriel Figueiredo, informa que o tráfico de drogas no município “vem se mantendo nos níveis dos últimos anos. Não se percebe um incremento no tráfico de drogas, mas não se pode dizer que a situação é tranquila, porque o consumo de drogas é notado em todas as partes do Brasil”. Conforme ele, “a Polícia Federal tem procurado focar não só no varejo, mas no atacado. Procuramos pegar o traficante mais importante, porque o pequeno é substituído, mas não é o suficiente. Por isso trabalhamos na prevenção, através do GPRED (Grupo de prevenção de drogas da PF), que foi reestruturado nos últimos anos para ser mais efetivo. Só as palestras não davam o efeito desejado. Então, procuramos orientar as escolas, ministrando cursos de prevenção às drogas aos professores e alunos”. 

Na opinião do delegado Gabriel Figueiredo “é impossível se acabar com o tráfico de drogas. Enquanto houver gente querendo usar, vai ter gente querendo vender. A verdade é que o ser humano em sociedade sempre usou uma ou outra droga. A história da civilização mostra que a droga sempre foi presente e acabar com isso é completamente utópico e inviável. Na parte repressiva tentamos conter o avanço, mas a diminuição do uso de drogas, em níveis mais razoáveis de consumo, só vai acontecer através da educação, assistência e é importante que as pessoas as consumam de uma forma mais responsável”.

O titular da PF observa que “falamos em drogas pensando nas ilícitas, mas as lícitas são tão prejudiciais quanto. O álcool, por exemplo, muitas vezes é mais prejudicial que as drogas lícitas”.