Jornal Rio grande

A importância da infraestrutura no desenvolvimento da Região Sul

  • Antônio Carlos de Carvalho Bacchieri Duarte
  • 31/10/20 as 13:58

 

A Metade Sul de nosso estado vem sofrendo nas últimas décadas enormes dificuldades para acompanhar o desenvolvimento do resto do RS. A luta e união de todos em prol do término da duplicação da BR 116 foi um marco determinante na mudança desta constatação.

Somente através de união de prefeituras, políticos, empresários e comunidade em geral, conseguimos sensibilizar o governo federal, o congresso nacional, no sentido de criar orçamentos e verbas para a conclusão já tão tarde desta duplicação. Obra para estar concluída em 2014, deverá ser completada no início de 2022. Mas foi através de um grande esforço, de uma grande união de pessoas que conseguimos avançar neste projeto.

Deveríamos seguir o exemplo desta caminhada vencedora do Movimento Juntos pela Conclusão da Duplicação da BR 116 e recriar outros projetos tão ou mais importantes para o desenvolvimento de nossa região. Alguns exemplos posso citar:

- A travessia a seco ligando Rio Grande a São José do Norte

- A construção de um aeroporto regional perto da ponte do São Gonçalo

- A transformação do aeroporto de Pelotas em Base Aérea para defesa da região

- A construção de um grande hospital regional para atendimento SUS

- A melhoria da estrutura das Santas Casas da região

- A construção de novas estradas de ferro

- A ligação desta nova malha ferroviária com a ferrovia Norte Sul

- A utilização da BR da Lagoa, a hidrovia ainda inexplorada em seu potencial

- A duplicação do Lote 4 , último lote da BR 392 a ser duplicado

- A duplicação da ERS 734 do trevo até a Junção

Dentre todos estes projetos de infraestrutura afirmo, apenas como um exemplo, que a travessia a seco ligando Rio Grande a São José do Norte iria alavancar toda esta região litorânea, tão esquecida e tão linda. Teríamos o desenvolvimento de Porto de Rio Grande utilizando a margem de São José do Norte. Mais terminais poderiam ser construídos, utilizando a grande obra de dragagem do canal de acesso já feita pelo governo federal. Emprego e renda estariam sendo criados.

Poderíamos focar no que já existe, que é este grande porto dos gaúchos, dando a ele o aproveitamento de seu potencial pleno. O turismo internacional (Uruguai e Argentina) utilizaria a rodovia BR 101 litorânea para o deslocamento ao norte do país. Pelotas, Rio Grande e outras cidades estariam nesta rota. Muitas destas obras de infraestrutura podem ser feitas através das PPPs (Parceria Público-Privada). Quando não há dinheiro público para investir em infraestrutura, podemos pensar em concessões e parcerias.

Nesta luta, teremos que agregar os projetos de outras cidades, fazer uma ampla discussão de prioridades regionais, colocar na fila e partir para o trabalho conjunto. Insisto, para se lograr sucesso em solicitações junto ao governo federal e estadual, necessário é ter o apoio de uma região e não somente de uma cidade. Este espírito tem que ser aceito por todos aqueles que de uma forma ou de outra lideram suas cidades e são os formadores de opinião.

Em outra oportunidade, irei analisar e avaliar com vocês cada um daqueles projetos acima citados. Vamos à luta, vamos juntos!

 

Antonio Carlos de Carvalho Bacchieri Duarte é Vice-Presidente de Infraestrutura da Federasul e Vice-Presidente da Câmara do Comércio da Cidade do Rio Grande

  • Compartilhar