Jornal Rio grande

Tecon está se tornando um terminal concentrador de cargas

  • Redação JRG
  • 01/11/20 as 0:44

 

n/d

Foto: Divulgação Tecon

A incorporação de embarcações cada vez maiores às frotas vem trazendo mudanças à navegação na América do Sul, com a diminuição de serviços marítimos para a região e maior concentração no Brasil de operações de transbordo (cargas transportadas entre um porto hub para outros portos de origem/destino). Nos últimos cinco anos, esse tipo de operação movimentou 7% do volume total de cargas conteinerizadas nos portos brasileiros, de acordo com estudo da consultoria Datamar, especializada na análise de comércio exterior via modal marítimo.
 
Com localização estratégica, infraestrutura para receber navios de grandes dimensões e equipamentos de ponta, a Wilson Sons consolida o Tecon Rio Grande como importante escala para operações de transbordo no Cone Sul. De janeiro a setembro de 2020, nove por cento dos TEU movimentados pela unidade foram referentes a esse serviço.

O terminal recebe as principais linhas marítimas que conectam a região do Mercosul com os principais portos estrangeiros na Europa, Ásia e América do Norte.  "O Tecon Rio Grande caminha hoje para ser um terminal concentrador de cargas. A boa acessibilidade ao porto, a localização estratégica e a alta produtividade média tornam o serviço ainda mais competitivo", explica o diretor presidente do terminal, Paulo Bertinetti.

De janeiro a setembro deste ano, o Tecon Rio Grande registrou produtividade média de 94 movimentos por hora, um dos melhores índices dos terminais brasileiros. A recente dragagem realizada no porto, com o consequente aumento do calado, permite ampliar ainda mais as operações de transbordo no local. 

  • Compartilhar