Jornal Rio grande

HU desativou Enfermaria Covid, mas está preparado para uma “segunda onda”

  • Redação JRG
  • 03/11/20 as 8:34

n/d

Apesar de a Enfermaria Covid-19 ter sido desativada no Hospital Universitário, graças à redução no número de internados afetados pela pandemia, o Gerente de Atenção à Saúde do HU-Furg, Fábio Lopes, admitiu que existe o temor de uma segunda onda da pandemia no Brasil e também no Rio Grande:

- Hoje estamos com uma demanda baixíssima, apenas dois pacientes internados mas, como está acontecendo na Europa seis meses depois, se imagina que a partir de janeiro, com reflexos em fevereiro, possa acontecer uma segunda onda no Brasil. Se precisarmos retroceder o atendimento temos a estrutura já pronta.

Ele observa que “o isolamento no Brasil não foi como em outros países. Em abril, o distanciamento de nossa população foi perto de 60%, mas depois não passou da metade e agora as pessoas cansaram. Acham que o vírus foi embora e ele está aí. A dúvida é se ele vai se mutar novamente, mas estamos precavidos”.

Fábio Lopes ressalta que o combate ao Covid-19 foi um desafio para o hospital. “Tivemos de desativar a unidade que recebia pacientes para as cirurgias eletivas e a adaptação em enfermaria para tratamento da Covid deixou esse espaço muito qualificado estruturalmente. Investimos em aparelhagem, EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) e treinamento. Foi um desafio em todos os aspectos e em 45 dias estava tudo preparado”. Destacou, ainda, a aquisição de um sistema para terapia de oxigênio de alto fluxo, que maximiza a oferta de oxigênio até 50/60 litros por minuto e, com isso, evita a entubação do paciente. Parte do dinheiro (R$ 750 mil) foi uma doação da Yara. 

O Gerente de Atenção à Saúde do HU afirma: “Alcançamos um bom resultado operacional e nosso pessoal foi muito competente e dedicado”. Informou que 82 profissionais atuaram na Enfermaria Covid-19, entre médicos, enfermeiros, técnicos de Enfermagem, fisioterapeutas e higienização. Nenhum deles foi contaminado pelo vírus.

 

Leitos para Covid

A Enfermaria Covid-19, inaugurada em julho, iniciou com 10 leitos semi-intensivos, dotados de ventiladores pulmonares e monitorização e viu sua capacidade dobrar em poucos meses. No entanto, em alguns momentos, chegou a atender acima da capacidade, com abertura de leitos extras, atingindo o número de 24 pacientes. Foram atendidos 75 pacientes, com tempo médio de internação de 12 dias.  Os índices apontam que 80% dos pacientes tiveram alta, 12% foram transferidos para UTI, devido a gravidade dos casos, e 8% vieram a óbito. Agora, aquele espaço retorna às suas atividades normais como Unidade de Clínica Cirúrgica. A superintendente do HU-Furg, Sandra Brandão, já havia adiantado que será preservada toda a estrutura da Enfermaria Covid, caso haja necessidade de sua reativação.   

O HU-Furg manterá os oito leitos do Serviço de Pronto Atendimento Covid-19 (SPA Covid-19), os quatro leitos da UTI Pediátrica e, em todas as unidades assistenciais do hospital, serão disponibilizados leitos de isolamento para atender pacientes internados que apresentem sintomas de Covid-19 ou que estejam infectados pelo vírus.  

n/d

A Superintendente Sandra Brandão e Fábio Lopes, Gerente de Atenção à Saúde do HU-Furg