Jornal Rio grande

Fatos e coisas de antanho

  • Redação JRG
  • 04/11/20 as 22:23

n/d

Coluna criada por Manoel Pinto Ferreira Junior.

 

5 de novembro

1851 – Na rua da Alfândega nº 1 alugam-se cavalos todos os dias santos. Quem precisar pode procurar na mesma.

1852 – Na rua Direita, defronte a botica de S. Malachias, loja de funileiro, vende-se o muito conhecido salão russo a 1$ o vidro.

1855 – As pessoas que desejarem aprender a dançar em pouco tempo podem dirigir-se à sala particular na rua Bella, nº 51, todos os dias úteis, que serão satisfeitos de quaisquer danças para a sociedade, não esquecendo a bela  Varsoviana, que é necessário saber-se hoje por ser de bom tom.

1875 – Os agentes Aurélio Forte e Armando Cardia iniciam o leilão de todas as existências do bazar denominado “Palácio”.

1906 – Faleceu na capital do estado, para onde ultimamente transferira residência, o vice-almirante reformado Alfredo Luciano de Abreu, que era natural desta cidade e contava 55 anos.

1914 – A casa comercial “A Gaúcha”, de propriedade do cavalheiro Carlos Cuello, acaba de ser transferida para o magnífico prédio à rua Marechal Floriano, junto à farmácia “Inglesa”, onde ficou esplendidamente instalada.

1942 – À convite do prefeito municipal Dr. Roque Aíta Junior chegou ontem à cidade o Dr. Alfredo Daudt, inspetor de Divisão Mecanizada do Daer, que vem estudar a possibilidade de colocação de gasogênio nos ônibus da prefeitura. Inicialmente serão colocados tais aparelhos em três unidades que fazem a linha do Cassino e no que conduz, também, passageiros para o Taim.