Jornal Rio grande

Economia e Opinião

  • Nerino Dionello Piotto
  • 30/01/21 as 14:18

Bom dia, caríssimos leitores,

Desde meus tempos de professor na FURG defendia a abertura de um curso de Psicologia para interagir com os de Economia e Administração, notadamente.

Com a chegada do verão, no RS, o humor e atitudes e comportamento do povo, no geral, se alteram profundamente.

Muita gente se movimenta, acidentes e prisões de motoristas embriagados em blitzes aumentam. O que é mau.

E, claro, as receitas do comércio, da indústria, dos municípios, aumenta. O que é bom.

Tivemos um ano de 2020 e tudo indica teremos em  2021 pífio em matéria de economia.

É ruim? É. Mas não podemos esquecer que uma moeda tem três lados: cara, coroa e serrilha. E este desempenho pífio da economia vem nos livrando de um mal também terrível, que traz prejuízos e também mata: apagões por falta de energia. Nossos reservatório estão – apesar das chuvas – em nível crítico. 

Que isto sirva de alerta aos governos para investirem mais em fontes alternativas de energia, como a gerada por possíveis usinas à gás natural, como a que está em projeto para Rio Grande. Seria oportuno e lógico, a meu ver, pressionar para que o projeto ande.

Cassino....com a chegada do verão, tem o lado bom: receitas do comércio, etc. e o lado ruim: muita gente se arriscando e circulado sem máscara, apesar dos louváveis esforços da Brigada Militar e da Prefeitura de Rio Grande via guarda municipal e Secretaria do Cassino.

Entendo que, notadamente os jovens, deveriam ter um pouco mais de empatia, pois ao retornarem para casa podem estar colocando em seríssimo risco seus pais.

Exclusão digital cresceu  na pandemia e o  fosso se aprofunda. E é um breque para a mobilidade social. Segundo o IMDS (Instituto de Mobilidade e Desenvolvimento Social), criado recentemente pelos economistas Paulo Tafner e Armínio Fraga (ex-pres do BC), só 29,6% dos filhos de pais que não tiveram instrução têm acesso à banda larga. Já nos lares onde os pais têm curso superior, sobe para 89,4%. 

Um baita desafio para a dupla de craques (eles batem um bolão nessa área ) professores Bernardelli e Munhoz que assumiram a Secretaria de Educação do município. 

Um olhar diferente, com a criação da Secretaria que cuidará das dores dos animais. Alguns sofrem maus tratos ou uso, a meu ver indevido, como o caso de cavalos em carroças. Não defendo a proibição radical, como ocorreu em várias cidades brasileiras, pois deixaria muitos famílias sem o sustento, mas um programa de substituição gradativa das carroças por veículos leves, a exemplo do que já ocorre com a entrega dos botijões de gás. Isto  poderia ser implementado com maior força pela titular da pasta, que é muito sensível ao tema.

Pensem nisso. Tenham um ótimo finde, saúde a todos, cuidem-se e aos demais.

 

Nerino Dionello Piotto é economista